Marca Mega

100% Experiência e Resultado

00, 0000 / ADMIN

    Uma motivação que se tornou lema de vida e inspiração de modelo de negócio: “Cresça no mínimo 1% todo dia”. Esse é o norte de Beto Harger como CEO da Mega, que ao completar 12 anos, inicia uma nova fase no mercado de comunicação de Santa Catarina. “Sempre fui um cara inquieto, que buscava entregar um pouco mais. Então eu percebi, há mais de 12 anos, quando as agências ainda estavam acostumadas com o modelo operacional tradicional, que se resumia a entregar criação de peças publicitárias, mas sem se envolver no negócio dos clientes, que o meu papel como agência é o de resolver problemas, mais até do que fazer o que o cliente pede”.


    Beto é formado em Publicidade e Propaganda pela PUC de Curitiba/PR, Especialista em Planejamento e Gestão de Negócios pela FAE/PR e tem passagens por empresas como o Grupo Kraft Foods e a agência Opus Múltipla. Após ter se formado em 2005, Beto optou por permanecer em Curitiba onde iniciou na área de publicidade e se manteve durante quase cinco anos, até tomar a decisão de abrir a própria agência e retornar à Joinville, onde nasceu e se criou. “Na época, percebi uma grande oportunidade na região norte do estado onde ainda não se falava em comunicação de indústria para indústria e os fornecedores de comunicação estavam muito voltados ao varejo. Então havia um nicho de mercado interessante para começar. “Foi este o nosso início com a Mega, pensando em como solucionar as dores de comunicação dos clientes b2b [business to business], trazendo soluções diferenciadas para eles em todos os pontos de contato das marcas com seus clientes”, lembra.


Foco em resultados


    A visão de Beto está embutida até mesmo no nome da agência, que surgiu da palavra “Megafone”. “O megafone representa nossa busca em atingir o consumidor certo fazendo com que ele próprio compartilhe a mensagem, que se torne um evangelizador das marcas. Focamos neste direcionamento, em entender o problema do cliente e, junto com ele, analisar a jornada de consumo e identificar os principais pontos de contato com o público-alvo”, explica. O CEO da Mega olha para trás e faz uma análise da trajetória visando uma mudança na percepção do mercado para anunciar uma nova era da agência de comunicação e marketing. “Até pouco tempo atrás, falávamos de gerar soluções diferenciadas para o cliente com o marketing de experiência, já que foi assim que nos estabelecemos, mas aprimoramos esse conceito para uma comunicação estratégica com foco em resultado. A essência, o cerne da empresa, na verdade não muda, porque tudo que fazemos é para gerar uma boa experiência para o consumidor do nosso cliente, fazendo com que ele consuma e compartilhe”, afirma.

    Para ele, o novo posicionamento não é realmente uma mudança, mas um reforço do trabalho realizado há anos. “Somos parceiros dos nossos clientes, entendemos suas dores, achamos soluções e monitoramos os resultados, sempre dividindo a responsabilidade e as ideias, que não são apenas on ou off-line, são multicanais. Sempre nos preocupamos em olhar para todos os pontos de contato com o consumidor, além de alinhar os times da empresa - comercial, marketing e gestão, para fortalecer as campanhas e encontrar as melhores ações para aquela situação”. Hoje atendendo os mais diversos segmentos da indústria e do varejo, não só em Joinville ou no sul do Brasil, mas com uma operação internacional no Canadá, a Mega engloba três pilares na comunicação com foco em resultado: o Sprint Criativo, uma metodologia que mostra as ferramentas que o cliente utilizará para atingir os objetivos de sua estratégia, a comunicação all in one, que engloba ações on e off-line e a solução para vendas complexas, voltada especificamente para clientes que querem impulsionar seu processo de vendas. Para explicar um pouco mais dessa experiência e estratégia de negócios, Beto concedeu uma entrevista à Premier abordando a metodologia que criou para ser o DNA das marcas que atende.


Revista Premier: Como explicar para o cliente essa mudança na percepção da Mega como agência de comunicação com foco em resultados?


Beto Harger: Nós temos o DNA de comunicação e estamos aqui para oferecer ferramentas para que o nosso cliente possa realizar a venda e se comunicar com mais eficiência, preparando também o vendedor para abordar o seu cliente de maneira adequada. Nós identificamos oportunidades em marketing e vendas e propomos soluções por meio do estudo profundo da necessidade apresentada. Estabelecemos metas e objetivos e dividimos a responsabilidade com o cliente, para que as ações aconteçam e sejam mantidas. Fazemos reuniões periódicas com as equipes de marketing e vendas para alinhar as ações e direcioná-las para seguir em frente de maneira integrada. Geralmente o vendedor sabe muito bem o que está vendendo e utiliza um discurso vencedor para efetivar essa venda, só que nem sempre esse discurso é compartilhado com o time de marketing, ou vice e versa.  Então, o que fazemos é conversar com a equipe de vendas para entender quais os seus processos e pensar em materiais que possam ser desenvolvidos com o marketing para auxiliar na venda, de forma integrada. Essa mudança de posicionamento da Mega está impactando os clientes de maneira a fazer com que não só o time de marketing perceba este movimento, mas que o cliente como empresa entenda o processo e possa utilizá-lo como principal beneficiário,fazendo com que cada equipe interna seja ouvida e possa solucionar suas dores de comunicação. Com tudo isso integrado, fazemos mais do que gerar vendas, nós ensinamos o consumidor a comprar. Por isso, eu gosto de dizer que aqui tentamos deixar todos os clientes ‘instagramáveis’, que é gerar o desejo do consumidor compartilhar sua experiência, dando mais vida para as marcas e gerando resultados em vendas. O conceito de marketing tradicional, marketing digital ou marketing off-line não

existe mais, tudo é marketing.


Revista Premier: Qual a principal metodologia da Mega para chegar aos resultados que propõe aos clientes?


Beto Harger: Com a nossa experiência em diversos clientes e aprendizados ao longo da existência da Mega, desenvolvemos uma metodologia própria, que chamamos de “Sprint Criativo” para gerar ações dentro do funil de vendas do cliente. Essa metodologia se resume em criar uma persona própria da empresa para facilitar a forma com que o consumidor se comporta diante dela. Então, todas as ações geradas precisam ser coerentes com o perfil deste personagem, incluindo conceito gráfico, campanha, tom da comunicação e tudo mais que fizer parte da jornada de consumo. Em poucas palavras, o sprint criativo é um agregado de várias ferramentas de estratégia, design thinking e comunicação para fazer com que o cliente alcance seu objetivo de vendas de maneira mais efetiva e integrada. Afinal, toda empresa sabe quais são seus objetivos, mas nem sempre sabe como chegar lá. Neste momento a Mega entra no jogo para estabelecer junto com a empresa um projeto bem feito.


Revista Premier: Qual o perfil do cliente da Mega?


Beto Harger: O cliente ideal é aquele que, assim como nós, é apaixonado pelo negócio. É a empresa onde possamos sentar com o tomador de decisão e discutir diretamente com ele as oportunidades e soluções para gerar resultado em vendas. Isso faz com que todas as ações sejam facilitadas, os prazos reduzidos e todos os times estejam integrados com mais energia e vontade de fazer acontecer.


Revista Premier: Como você enxerga a trajetória da Mega e a percepção dos clientes pelo trabalho realizado?


Beto Harger: Quando decidimos vir para Joinville havia um “oceano azul” no segmento das indústrias, hoje atendemos diversas áreas, incluindo varejo, tecnologia e serviços. Já nascemos com uma veia de integrar ações on e off-line e fomos precursores na região a trabalhar o marketing de relacionamento e ações de guerrilha, isso ajudou muito na construção do nosso reconhecimento no mercado. O resultado disso é que hoje dividimos com o cliente a responsabilidade de gerar vendas e dar resultado para seu negócio. Nossa proposta é dar uma solução ao cliente e direcioná-lo para que ele consiga alcançar um objetivo. Somos impulsionadores do marketing das empresas e a Mega como agência tem a preocupação de fazer com que o cliente realmente ganhe dinheiro.


Revista Premier: Como incentivar o investimento no marketing em momentos de crise?


Beto Harger: Vou te pedir pra imaginar um rio, que em um determinado período está cheio,

mas que ainda assim lá no fundo você consiga enxergar algumas pedras. No momento de cheia, que é quando o mercado está aquecido, as vendas estão acontecendo e o cliente tem verba para investir, neste caso, incentivamos o investimento em branding, em ações e fortalecimento de marca, lançamento de produtos e tudo que vá fazer com que o consumidor lembre de você em épocas de baixa. Essa época de baixa, quando o rio esvazia, algo que acontece bastante em mercados como o brasileiro, o cliente começa a tropeçar nas pedras e quer eliminá-las, então passa a ver o marketing e outros itens no orçamento, que antes auxiliavam, como despesas a serem cortadas. Os dois momentos sempre vão existir, é um ciclo, e em época de baixa o segredo é trabalhar com foco em vendas e relacionamento, trazendo o time de vendas cada vez mais próximo do marketing para aprimorar as ações junto ao consumidor. Então, você pode diminuir algumas ações de marca que na época do rio cheio estavam sendo feitas, e se você trabalhou bem a marca nesse período, os esforços de ações de venda serão muito menores porque seu cliente vai lembrar de você, porque neste momento, todo o resto do mercado deixou de trabalhar o reforço de marca quando o rio estava cheio, afinal, estava mais fácil vender e têm-se a falsa impressão que trabalhar a marca não é necessário. Se sua empresa fizer isto, sairá na frente.


Revista Premier: Como surgiu e como funciona a operação da Mega no Canadá?


Beto Harger: Somos a primeira agência do sul do Brasil a ter operação no Canadá. Minha

sócia, a Cátia, é Brasileira e trabalhava em uma grande empresa de software que era cliente da Mega na época. Quando esta empresa foi vendida, ela se mudou para São Paulo para o Marketing de uma empresa Canadense e depois foi enviada para o Canadá. Nós mantivemos o contato e continuamos trocando experiências sobre a área de comunicação e ferramentas de estratégia. Trabalhando no Canadá, ela compartilhou comigo que as agências de lá se dividiam em dois tipos: agências focadas em atender grandes contas multinacionais ou eram freelancers de criação. Nesse meio de campo havia um “gap”, não existiam boas empresas de comunicação para atender estrategicamente o mercado interno. Ou era caro e moroso demais ou a entrega deixava a desejar. Então, ela nos acionou para fazer os jobs da empresa que ela estava trabalhando. Passou um tempo, e por ser uma das maiores profissionais de planejamento que eu conheço e gostar muito da nossa metodologia de trabalho e das nossas entregas, a Cátia enxergou um potencial de negócio e fez a proposta de montar uma filial da Mega lá. Aceitamos na hora. Em pouco tempo, ela saiu da empresa onde estava, passou a prospectar clientes locais e há seis anos temos essa operação com o mesmo formato de entrega aqui do Brasil. Com esse contato constante que temos, acontece uma grande troca de ideias e referências. Mesmo  ela tendo uma equipe focada em conteúdo e estratégia, quando entra algum trabalho diferenciado, seja aqui ou lá, podemos nos ajudar mutuamente para encontrar soluções, tendências e respostas que existam nos dois mercados.


Revista Premier: Como você enxerga o marketing e o profissional de comunicação do futuro?


Beto Harger: O profissional do futuro tem que entender as técnicas de vendas, como funciona o relacionamento com o cliente, o fluxo desse cliente dentro do negócio e como sanar as suas necessidades. Isso não só o profissional que é de vendas, mas para todas as áreas, qualquer profissional tem que saber ser um bom vendedor para apresentar bem o projeto que criou. E o que faz um bom vendedor? Ele entende para quem está vendendo e como aquele produto vai resolver o problema do cliente. Além disso, entender que você não vai agradar a todos os consumidores. Então, ou você adapta seu produto ou serviço para um determinado consumidor ou precisa encontrar clientes que vão se relacionar bem com o que você está vendendo. 


Revista Premier: Qual o seu principal conselho para quem precisa de um norte na gestão da comunicação empresarial?


Beto Harger: Meu lema pessoal é, todo dia entregar um pouco mais e aprender um pouco mais. Crescer no mínimo 1% todos os dias. A rotina da Mega e nossos clientes nos puxam pra isso. Buscamos e encontramos informação e conhecimento em todo o lugar. E se não encontramos as respostas ao nosso redor, nos desafiamos a procurar em outras fontes e pessoas. Somos muito colaborativos e saímos constantemente das paredes da agência. Todos os profissionais da Mega têm a liberdade e o objetivo de agregar conhecimento e novas soluções para projetos novos e em andamento, independente de sua área dentro da empresa. O cliente também participa do processo criativo e conseguimos excelentes resultados quando o cliente se dispõe a trabalhar em conjunto e também colocar o consumidor como centro das oportunidades. Vários projetos incluem também co-criação com o próprio consumidor final, afinal, ele que vai nos mostrar a realidade do negócio e como enxerga o produto. Hoje, pra mim, já não existe mais divisão de b2b [business to business] ou b2c [business to costumer], eu acredito que para o sucesso da empresa o

importante é o contato “human to human”, porque toda empresa é feita por pessoas e para pessoas.